Tragédia de Munique 6 de Fevereiro de 1958

A TRAGÉDIA QUE A INGLATERRA NUNCA ESQUECERÁ

No dia 06 de fevereiro de 1958, após a disputa de uma partida contra o Estrela Vermelha, em Belgrado, o Manchester fazia a viagem de retorno à Inglaterra. Era o vôo 609 da British European Airways.

A equipe havia conquistado um empate por 3 a 3 contra o time iugoslavo, que lhe rendeu a classificação para as semifinais da Liga dos Campeões.

Mas não houve tempo para comemoração. Segundo testemunhas, durante a viagem estava nevando muito. O piloto do bimotor Airspeed Ambassador, prefixo G-ALZU, construído pela “De Havilland”, que fazia vôos regulares entre a Alemanha e a Inglaterra, estava com pouca visibilidade. E, para piorar, um dos motores estava com defeito. A torre chegou a ser informada sobre o problema, mas nada adiantou.

Logo depois, o motor pegou fogo e o avião caiu nas proximidades da cidade de Munique, na região da Baviera, por volta das 18 horas.

No acidente morreram 28 pessoas entre passageiros e moradores do local da queda do avião. A comitiva do Manchester era formada pelo diretor esportivo, o secretário da equipe, 11 jornalistas e 17 jogadores.

Logo após o acidente, o zagueiro Billy Foulker afirmou: “Tudo se passou terrivelmente depressa. Uma explosão formidável que sacudiu o aparelho, e tínhamos a impressão que nossos tímpanos explodiam”.

A equipe perdeu oito jogadores: Roger Byrne, Eddie Colman, Duncan Edwards, Mark Jones, David Pegg, Tommy Taylor, Billy Whelan e George Bent.


O avião Airspeed Ambassador - prefixo G-ALZU - em Munique antes do acidente


Após a queda, o avião queima na região da Baviera, próximo a Munique


O que sobrou do bimotor Airspeed Ambassador     




Placa em memória dos jogadores falecidos no desastre aéreo de Munique, no estádio Old Trafford (clique na foto para amplia-la)

Entre os sobreviventes Bobbby Chalton, que, em 1966, voltou a sorrir quando no estádio de Wembley, foi o grande destaque no Mundial vencido pela Inglaterra.

Até hoje a tragédia não foi esquecida. No aeroporto de Riem há um grande memorial e várias homenagens ocorreram no aniversário de 50 anos do acidente, em 2008. Uma delas no jogo contra o Manchester City no dia 10 de fevereiro no qual, o United entrou com um uniforme baseado no que era usado pelo time na época do acidente. Além do "jogo-homenagem", Old Trafford também presenciou a homenagem oficial e antes do jogo, mais de 75 mil pessoas fizeram um minuto de silêncio.

Assista um vídeo exclusivo do clube de fãs sobre a Tragédia de Munique

» CONHEÇA OS OITO JOGADORES QUE SE FORAM MUITO CEDO:

Roger Byrne, 28 anos

Se Tivesse voltado vivo para Manchester, Roger Byrne teria descoberto que sua mulher, Joy, estava esperando o primeiro filho do casal. Roger, mancuniano through and through, era reconhecido como um dos mais completos defensores do país, tendo atuado 33 vezes consecutivas pelo Englsih Team. Nada mal para quem um dia foi informado que não era bom o bastante para jogar pelo time da força aérea. Oito meses após o acidente, Roger Jr nasceu.



Billy Whelan, 22 anos

Whelan fazia parte da seleção irlandesa e foi para o United da sua equipe amadora, Home Farm. Atacante que atuava mais pelo meio, tinha grande poder de finalização, marcando 43 gols em 79 partidas da liga, embora não tenha sido titular no fatídico confronto contra o Red Star. Quando o avião perdeu o controle, a história conta que ele se inclinou na direção de Albert Scanlon e disse as palavras: "Albert, este é o fim, mas estou pronto".



Tommy Taylor, 26 anos

Alto e poderoso centroavante, Tommy Taylor era visto como o sucessor natural de Nat Lofthouse no English Team. Em 19 partidas pela seleção, anotou 16 gols, o que levou o Milan a fazer uma oferta recorde de 650 mil libras por ele. Sir Matt Busby se recusou a vender o jogador que havia comprado cinco anos antes do Barnsley. Na época, a transação foi recorde: 29.999 libras. Busby não queria que o garoto de Yorkshire carregasse o peso de ser o primeiro jogador de 30 mil libras, então ele deu 1 libra de gorjeta para a tea lady. Taylor telefonou para sua noiva, Carol, antes do acidente, dizendo que estava voltando para casa para tomar um pint de Guinness e ouvir alguns discos com ela.

Duncan Edwards, 21 anos

Duncan Edwards era, sem sombra de dúvida o astro do Manchester United e, em termos de estilo e habilidade, o Roy Keane de sua época. "Ele era o jogador que me fazia sentir inferior", disse Sir Bobby Charlton, "Se tivesse que jogar pela minha vida e tivesse que escolher alguém para atuar comigo, seria ele". Edwards sofreu lesões internas devastadoras e os médicos disseram que qualquer homem morreria em algumas horas. Ele sobreviveu por 15 dias. Edwards lutou com a mesma bravura que atuava com a camisa dos Red Devils mas morreu de colapso dos rins. Nascido em Dudley, se juntou ao United em 1952 e após ser incorporado ao elenco profissional aos 16 anos, foi convocado para a seleção inglesa pela primeira vez aos 18 anos. "Ele jogou com tremenda alegria e isso impulsionou todo o English Team", disse Walter Winterbottom, no dia em que o jogador morreu.

Mark Jones, 24 anos

Jones, como Tommy Taylor, era outro forte e sem medo rapaz de Barnsley, o tipo de zagueiro para o qual a palavra "descompromissado" poderia ter sido inventada e reconhecido como um dos melhores cabeceadores de sua época. Ele trabalhava como aprendiz de pedreiro quando United lhe deu a chance de jogar. Estreou na equipe profissional aos 17 anos. Sua esposa, June, esperava o segundo filho do casal quando aconteceu a tragédia. Lynne nasceu em junho de 1958.



Eddie Colman, 21 anos

Após ter sido visto jogando pelo Salford Boys, foi a vítima fatal mais jovem do desastre de Munique. Morreu aos 21 anos e três meses. Depois de atuar pelo time que venceu a FA Youth Cup três anos seguidos, fez a estréia na equipe principal aos 19 anos e fez 107 partidas pelo United. Anotou dois gols. Era afetuosamente conhecido como "Shakehips" pelo público de Old Trafford, pelo seu trademark jogo de corpo para enganar os marcadores.



George Bent, 25 anos

Outro jogador nascido em Salford, não era titular e talvez nem estivesse no vôo se Roger Byrne não tivesse sofrido uma contusão na partida anterior, contra o Arsenal. Bent, que chegou ao United imediatamente ao deixar a escola mas só atuou 12 vezes, foi chamado como precaução e sequer entrou em campo contra o Red Star. Sua morte deixou a esposa, Marion, sozinha para criar a filha, Karen.




David Pegg, 22 anos

Um dos primeiros pin-up boys, era um estiloso winger cuja habilidade para causar problemas até os mais ferozes marcadores fez, famosamente, o Real Madrid contratar um marcador apenas para enfrentá-lo. Pegg, de Highfields, perto de Doncaster, era esperado para tomar o lugar de Tom Finney na seleção. Mas no momento da partida, ele tinha perdido o lugar no time para Albert Scanlon.


Voltar

Som MaiorPUBLICIDADE